11.05.2012

À tua pergunta

























que resposta te posso dar
se nunca soube que poeta ser
e nem tenho todos os dias
o mesmo brilho no olhar

não sei bem que versos faço
escrever para mim é recurso
para me livrar do embaraço
e arrastá-lo para outras moradas

sei que sou um homem só
e nem sei bem como o faço
escrever sempre me soube
a outra forma de fracasso.

1 comentário:

Sebastião Ribeiro disse...

Gostei muito... Todo poeta passa/passou por épocas assim. Mas sempre surgem bons textos, como este.

Abraços!