7.07.2012

Promessa de flores






















procuro-te
em imitações baratas,
nada encontro que satisfaça
esta mesma vontade que ficou.

os anos
pesam como flores,
a cada porta outros corredores
em cada um labirintos e novas paragens.

bem sei
deixei-me levar por uma maçã,
a sua réplica mantenho-a intacta
aqui onde falham promessas de flores.

3 comentários:

Sebastião Ribeiro disse...

Muito bonito, Adamastor. Poema delicado, e me parece que bem franco. Texto que conversa comigo.

拉克尔 disse...

Gostei bastante!

disse...

andamos a consumir as sombras. até quando nos saciam?