6.06.2011

Tempo Florido




"Mais vale morrer conforme
as regras do que escapar
contra elas..."
(Jean Baptiste Molière)
















tempo que passa por nós
cai como se não nos visse
aqui a braços juntos e sós
onde a curva faz uma volta.

margarida é certo o vento leva
para lá bem longe deste desterro
o orvalho encrespado nas pétalas
queimadas pelo sol tardio e quente.

tão teu o jeito bravio de crescer
de me lograr por mais sentidos
por se estimar e não haver melhor
tempo como este que não volta.

em farrapos e poucas malas
desfez-se os buracos do caminho
aos saltos como se fossem contínuos
os parcos esparsos lacónicos recontros.


4 comentários:

Rita Graça disse...

Gosto deste. Nice one. *

Brid disse...

Gostei muito do poema :) E, já agora, também da imagem no topo do blog (sim, se calhar já a meteste cá há um ano atrás LOL mas tenho andado ausente de 'blogagens' xD). Gosto dos rabiscos, faz-me lembrar as minhas pautas depois de cada aula de música! A minha professora era implacável, rabiscava tudo! Ela mesma dizia que o lápis era o segundo melhor amigo dum músico (a seguir ao metrónomo, claro!) ehehe :)

João Afonso Adamastor disse...

Mas que bem :D

Brid disse...

HEY! Obrigada por me teres adicionado no msn ehehe :) PORÉM, ocorreu uma tragédia LOL não sei o que fiz mas eliminei o teu contacto sem querer... -.- por isso, adiciona-me again xD (se quiseres -.-)

Beijinhos