4.10.2011

Verdes Anos




















verdes anos
os que passam
os que te fazem
os que te dão

verdes anos
de calor e desejos
de clamor e sobejos
de procura e salvação

verdes anos
que ao corpo voando largos
antes pesassem leves no sentido
da semente que anuncia a despedida

verdes anos
raízes de quem te deixou
no peito a saudade de porta aberta
e no coração uma inelutável partida

verdes anos
alguém que vai é alguém que sempre fica
em avultadas recordações sem ódio e sem justiça
desta chegada que é apenas um inefável e longo adeus

verdes anos
vivências vencidas de quem mais não volta
de capa aos ombros a percorrer os escombros
destas ruas que são remendos feitos de sonhos terrenos

verdes anos
provérbios de uma vida só
que agora começa e não termina
nas memórias de um passado estorvo

verdes anos
tempos prestos de luz densa
de alguém que partiu para voltar
e ser em mim tudo o que fui e agora sou.


Sem comentários: