8.24.2010








Tanto ou mais que as pessoas, os lugares vivem e morrem. Com uma diferença: mesmo se já mortos, os lugares retêm a vida que os animou. No silêncio, sentimos-lhes os ouvidos vigilantes ou o rumor infatigável dos ecos ensurdecidos.


Fernando Namora, in "Jornal sem Data"


__________________________________________________________________________





"Red Desert Road I", by Brooke Wandall



Caminho: faixa de terra sobre a qual se anda a pé. A estrada distingue-se do caminho não só por ser percorrida de automóvel, mas também por ser uma simples linha ligando um ponto a outro. A estrada não tem em si própria qualquer sentido; só têm sentido os dois pontos que ela liga. O caminho é uma homenagem ao espaço. Cada trecho do caminho é em si próprio dotado de um sentido e convida-nos a uma pausa. A estrada é uma desvalorização triunfal do espaço, que hoje não passa de um entrave aos movimentos do homem, de uma perda de tempo.
Antes ainda de desaparecerem da paisagem, os caminhos desapareceram da alma humana: o homem já não sente o desejo de caminhar e de extrair disso um prazer. E também a sua vida ele já não vê como um caminho, mas como uma estrada: como uma linha conduzindo de uma etapa à seguinte, do posto de capitão ao posto de general, do estatuto de esposa ao estatuto de viúva. O tempo de viver reduziu-se a um simples obstáculo que é preciso ultrapassar a uma velocidade sempre crescente.

Milan Kundera, in "A Imortalidade"

«Posso duvidar da realidade de tudo, mas não da realidade da minha dúvida.» A. Gide

8.23.2010

Sensíveis, Ousados e Plenos


















Frágeis searas de trigo,
Taberna de roedores e pardais,
Resplandecem na aurora das estrelas
De pontas voltadas ao clarão,
Com corpos febris e estivais.

Sedentes frutos vermelhos
Que bebem o fogo do sol
E não resistem aos quentes vendavais,
Nem ao toque bruto dos insectos
Em lascivos jogos triviais.

Negros ciprestes dos bosques,
Corvos que circundam os milheirais,
Oferecem fresca sombra para a ocasião
E que de tão perfeitos na plenitude da planura
São desejos louváveis neste meu canto pagão.

"Peço a um livro que crie em mim a necessidade daquilo que ele me traz." J. Rostand





— Vamos lá - disse. - Que é que achas de tão interessante nisto.
— Bem, a tua famosa lucidez. Tu és divertido, meu velho, tens um medo tão grande de te iludir a ti próprio que recusarias a mais bela aventura do mundo para não te arriscares a uma mentira...

Jean-Paul Sartre, in «A IDADE DA RAZÃO»


_______________________________________________________________________________________






Bowerbirds - Olive Hearts, from "Hymns for a Dark Horse" (Burly Time Records, 2007)

Duplo-Pensar

Pesados,
sentes os olhos pesados,
das costas vem a dor
e tens os membros cansados,
o sol não te serve de aconchego.

Não dormes,
nunca sonhas livremente,
descansas aos poucos e desatento
das saudades, das memórias,
do nevoeiro que vês em frente
como se o descanso fosse
pedaços de acordes desordenados,
como se a fome fosse o teu carrasco,
enquanto o coração náufrago envelhece
num corpo que sem alma não se sente,
vive só e desgovernado.

Em delírio as manhãs vêm calmas,
pudesses como eu respirar desembaraçado
sem o vinho que vem do fermento
da uva nova feita em sumo,
do outro velho e deste novo mundo,
onde tudo é vento e tudo é fumo.

Se é pelo caminho pisado
que se delimitaram as estradas,
também é por isso que se ergueram
as velas da revolta e mudaram-se as rotas
que nos marcam o rumo...
mas corres sempre veloz e andas apressado,
a vida passa-te em segredo,
num segundo maior do que a morte,
maior até que um suspiro
que percorre todo o tamanho do universo,
enquanto toda a terra equaciona o norte.

8.02.2010






















"The trouble with our times is that the future is not what it used to be. "
Paul Valery





"Pathways"

Understand, I'll slip quietly
away from the noisy crowd
when I see the pale
stars rising, blooming, over the oaks.

I'll pursue solitary pathways
through the pale twilit meadows,
with only this one dream:
You come too.

Rainer Maria Rilke





"Longing"

Come to me in my dreams, and then
By day I shall be well again.
For then the night will more than pay
The hopeless longing of the day.

Come, as thou cam'st a thousand times,
A messenger from radiant climes,
And smile on thy new world, and be
As kind to others as to me.

Or, as thou never cam'st in sooth,
Come now, and let me dream it truth.
And part my hair, and kiss my brow,
And say - My love! why sufferest thou?

Come to me in my dreams, and then
By day I shall be well again.
For then the night will more than pay
The hopeless longing of the day.

Matthew Arnold





"Not with the Proud Kind Of Beauty"

Not with the proud kind of beauty
She charms the animated youth,
And she doesn't drag behind her booty -
The crowd of her slaves, confused.

Her waist isn't one of any goddess,
Her breast does not rise like sea waves,
And nobody calls her gorgeous,
While falling on his knees on earth.

But every movement, every action,
Her features, speeches, smiles -- all these
So full of life and inspiration,
So full of otherworldly ease.

Her voice pervades the whole soul,
Like memory of happy days,
And heart is sunk in love and dole,
While being shameful of its zest.

Mikhail Lermontov




«It takes a lot of nerve to destroy this wondrous earth...»