2.10.2010

Desprezo



Vale a pena prostrar-se verdadeiro,
Quando o mundo julga por partes
E não esboça um traço inteiro?

Vale a pena expressar-se honesto,
Se é pelo artificio que a humanidade
Reage à beleza do gesto?

Há quem nada desfaça,
Há quem tudo despreze...
São beneméritos outros confrades
Por assim aplacarem as honestidades?

Sem comentários: