12.03.2009

Procura-se

Hoje falo no presente,

Aquele em que me sinto…

Não que reveja falsidade nos outros

Ou nas minhas fingidas divagações,

Apenas porque me sinto suspenso

Em frágeis versos e suposições.

Sei que os meus desalentos

Não passam de lamentos para alguns,

Mas a verdade é que bons poemas

Ainda não escrevi nenhuns…


Sou somente neste dia

O que fui em qualquer outro,

Um escriba que conta sonhos

E não que cria novas leis ou profecias.

Sou apenas um aprendiz

Do que a vida nos mostra nestes dias,

Do que este tempo nos diz…

Deduzindo e imaginando

Desejos e tormentos,

Consciências e aflições sem fim

Nas coisas que este mundo nos suscita

E me exclamam só a mim.


Agora não se enganem,

Dediquem-se à contemplação

Que toda a alma é erudita.

Mas se procuram poetas

Não me encontram a mim,

Só encaram a minha escrita...

Que eu não quero tornar-me perfeito,

Procuro apenas ser assim…

Não como um louco deambulando,

Mas destro poético, sim!

Sem comentários: