12.19.2009

Não posso negar o coração


Como não posso esquecer
a dolência da contemplação,
o seu efeito imenso em mim
que me transforma sempre assim,
num louco inquietante
que se perde na adoração.
Quando o olhar são abraços
e os abraços gestos de ternura
que procuram os lábios
oprimidos por estranhas palavras,
suspensos em delicada perfeição.
Não, não posso negar o coração
mesmo que quase sempre
desconheça a genuína razão.

Sem comentários: