12.19.2009

Contradições Esquecidas


O quanto de ti já sonhei,
O quanto por ti esperei
No tempo que passou
Sempre além do que desejei,
Quantas mágoas
Só eu o sei.

Deveria existir
Na simplicidade do verbo
Algo que te renunciasse,
Qualquer coisa que me desviasse
Deste fútil jeito de pensar,
De te reinventar lucidamente
Na proporção que me imagino.

Não abdico das ilusões
Que procuram fervorosamente
Exclamar por todas as tuas feições.
Irei esconder estas palavras
Como me oculto eu de ti,
Se os teus gestos meigos
Forem esquecidos assim...
Em gastas divagações convictas
Onde encontro o desgoverno
Destas malditas contradições.





Lhasa de Sela - La confession

Sem comentários: