7.30.2009

Longe Presente


Hoje subo aos degraus do tempo

E não falo no meu passado,

Escrevo do presente…

Longe desse local amargurado

Onde me fechei intangível,

Onde permaneci ausente.


Hoje relembro nos teus gestos

Enganos cativantes,

Na ausência dos teus beijos

Outros desejos delirantes...

E na saudade do teu perfume

Onde continuamente

Procuro eu inspirar-me,

Olhares angustiantes,

Quando os teus não os vejo

E é na falta desse ébrio brilho,

Nessa mera recordação,

Que me faço apaziguar

E procuro perdão…


O que hoje desejo simplesmente

Numa alta aspiração ao impossível

É habitar com um coração cheio

Este mundo vasto e vazio…

Não me procuro corromper,

Nem louvar a desilusão.

Afastando-me de caminhos nocivos,

Persisto na minha adoração,

Criando pensamentos decisivos

Ao contemplar a salvação.

Sem comentários: