6.19.2009

Resistência

Ainda não sinto

Em veias escuras

O azul devastador

Da minha alma em esgotamento.

Enquanto o meu coração

Bater assim violento

Terei a capacidade

De saudar o fingimento.


Recordarei o que se esquece

Se o futuro não esmorece

Como musgo pálido

Condenado à dessecação.


Continuarei a escrever

Acompanhando a respiração...

Negando-me compreendo-me

Se assim padecer de inspiração.



"Meu lamento", de Ataulfo Alves, por Dona Zica

1 comentário:

t i a g o disse...

Belo poema, que retrata a vida de quem gosta de escrever, mas a quem, por vezes, lhe faltam as ideias... misturado com algumas metáforas bem conseguidas.

E gostei da música!