5.06.2009

Tempo por que espero

Tenho medo de sentir
A falta dos sentidos,
Tenho medo dos encontros
E dos dias reprimidos.

Tenho receio de quem vê
Mentiras na minha verdade
Ou quem me eleva aos céus
Esquecendo a simplicidade.

Tenho vontade para que o mundo
Deixe de ser assim,
Tenho dúvidas em aceitar
Que procuro refúgio em mim.

As palavras não são o escudo,
Nem um incentivo à crueldade.
Só não quero estar ausente
Quando o tempo chegar, outra idade.

Que as tréguas deste tempo
Não são as trevas do outro,
Enquanto procuro não vivo
E não me encontro absorto.

Falta-me ainda compreender
Os segredos desconhecidos
Quando as noites se apresentam
Em quadros desvanecidos.

Que entre este mundo e um outro
Existe tanto e tão pouco por explicar,
Se espero acordado sobrevivo
Ao novo tempo sem me encontrar.

1 comentário:

Leto of the Crows disse...

O Tempo é longo de infinito e muito ainda hás de esperar ^^

(Deixei um selo aos teu blog no meu)

***