3.25.2009

Um quarto para o mundo

A janela do meu quarto
É a porta do meu mundo,
Não essa caixa irritante
De fraco ruído profundo.

Procurei nela ilusões,
Desconhecendo as razões
Do que me faz viver assim.
Nela não encontrei fantasia,
Porque essa vive em mim.

A minha vida são palavras
De um pesado livro confuso,
Um incompleto dicionário
De férteis profecias sem uso.

Procurei nelas explicações,
Só desenvolvi divagações
Com as marcas do meu tempo,
Senti-as verdadeiras
Como um perfeito argumento.

As palavras do meu mundo
Têm isso de fenomenal,
Ao respeitar a sua elegância
Fizeram-me inspirar as brumas
De um desejo sobrenatural.



















"Acabou-se a angústia/ Dos seus passos em volta"
(Abriu a janela e voou ... )