6.06.2011

Crepuscular




Os astros desconhecem o sentido,
Aos deuses nego a existência
E fico eu nesta demência
A suspirar pelo irreal.

Desconhece os meus sofismas
E descobre assim a aliteração
De propor sem mistérios
A frágil coerência da suposição.

Na verdade não sei o que me prende,
Procurando apenas ser como sou
É na falta do que me alimenta
Que descubro quem sempre me encontrou.

Em nada me sinto vencido,
Reconheço em tudo algo superior,
Conferindo-lhe com o devido respeito
O cotejo de um real valor.

Como quimera que se deslinda
E que cego assim me tem posto
Na alma que já não é minha
Um distinto crepúsculo ao meu gosto.


Sem comentários: